Cirurgia das Amígdalas e/ou Adenóides

Cirurgia das Amígdalas e/ou Adenóides

A cirurgia das Amígdalas e/ou das Adenóides é um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados no mundo e suas indicações estão muito bem definidas, podendo ser detalhadas por seu médico. Uma vez indicado o procedimento, algumas instruções devem ser seguidas.

A escolha do Hospital é importante porque mais do que uma hospedagem confortável, o Hospital escolhido deve oferecer uma Enfermagem de alto nível e um Centro Cirúrgico plenamente capacitado para um procedimento seguro com equipamentos de primeira linha. Observe ainda se este Hospital apresenta “Certificação” emitida por alguma Instituição nacional ou internacional como a ONA (Organização Nacional de Acreditação) ou a JOINT COMISSION INTERNATIONAL. O Anestesista pode ser próprio do Corpo Clínico do Hospital ou Credenciado no Hospital e escolhido pelo Cirurgião.

Os Exames pré-operatórios visam maior segurança ao procedimento cirúrgico. Nas cirurgias de Amígdalas e/ou Adenóides, em razão do risco potencial de sangramento pede-se um Hemograma Completo e Perfil de Coagulação, podendo ainda ser solicitados outros exames de acordo com as peculiaridades de cada paciente e sua faixa etária.

O Cirurgião deverá expor detalhadamente o procedimento a ser realizado, seus riscos e expectativas, projetando um período aproximado de recuperação do paciente antes de retornar a suas atividades habituais e prática de exercícios físicos. É solicitado, então, ao paciente, que assine Termo de Consentimento onde essas explicações estarão resumidas.

Finalmente, certifique-se com a Secretária do Cirurgião de que toda a documentação está em ordem, assim como a autorização da Seguradora.

Agora só falta separar TODOS os Exames para não se esquecer de levá-los no dia da cirurgia.

Na véspera da cirurgia procure manter a rotina. Evite “imaginar” como será o dia seguinte. Todas as perguntas já foram respondidas e agora você deve confiar em suas escolhas. Deite-se no horário habitual, respeitando o tempo de Jejum absoluto de oito horas até o horário previsto para a cirurgia (não tome nem mesmo água no período de jejum). Se você tem medicação indispensável para tomar no período de jejum, pode fazê-lo com nada mais que um “gole” de água.

Programe-se para chegar ao Hospital com antecedência de uma hora e meia em relação ao horário previsto para a cirurgia. Lembre-se de que uma cirurgia demanda um grande número de profissionais que o estarão aguardando no horário programado. No Hospital, após procedimentos burocráticos você será encaminhado ao quarto onde a Enfermeira responsável deverá recebê-lo e realizar um Questionário de Admissão. Em seguida o Anestesista será acionado e o visitará para apresentar-se, avaliá-lo e conferir seus exames. Em alguns casos faz-se necessária a aplicação de uma medicação pré-anestésica com o intuito de diminuir a ansiedade do paciente sem fazê-lo dormir, o que somente ocorrerá dentro do Centro Cirúrgico.

O “maqueiro”, responsável pelo transporte dos pacientes dentro do Hospital, aparecerá para encaminhá-lo ao Centro Cirúrgico no horário programado, onde seu Cirurgião está conferindo instrumental, equipamentos e irá recepcioná-lo. Agora sua ansiedade diminuirá porque você sabe que seu Cirurgião está a seu lado e cuidará muito bem de você.

Ao término da cirurgia a criança fica certo período de tempo numa sala chamada de “Recuperação Pós-Operatória” aos cuidados do médico anestesista até que possa ser encaminhado em segurança para o quarto. A criança normalmente chega ao quarto um pouco confusa, chorosa, às vezes agitada, apresentando uma salivação que pode conter sangue. Podem ocorrer náuseas e vômitos com um sangue escuro que não deve preocupar pois é o sangue que foi engolido durante a cirurgia.

Até os dois dias seguintes pode ocorrer febre (temperatura igual ou maior que 37,8 C).

Logo após a cirurgia a criança sente dor na garganta e às vezes esta dor pode se irradiar para os ouvidos. Até o sétimo dia a criança pode apresentar mau hálito. A criança pode ainda apresentar voz “fanhosa”, que deve retornar ao normal em até 30 dias. Pode-se observar placas brancas na garganta que são parte da cicatrização.

A criança não deve brincar fora de casa, nem se expor ao sol, sendo proibido o esforço físico.

DIETA

A dieta será progressiva, de uma dieta líquida para pastosa até a dieta sólida. Não se deve ingerir comida ou bebida quente nos primeiros dois dias.

Nos dois primeiros dias: oferecer alimentação líquida e fria. Pode-se oferecer água, suco, chá, leite, iogurte, mingau, gelatina e sorvete da massa. Pode-se oferecer também uma sopa batida, sem grânulos, na temperatura ambiente.

Do segundo ao quarto dias: a alimentação já pode ser mais consistente (pastosa), mas deve-se evitar alimentos sólidos. Pode-se oferecer a comida batida no liquidificador ou amassada no garfo.

Do quinto dia em diante: oferecer alimentos sólidos mas bem macios como arroz “papa”, feijão amassado no garfo, carne moída ou peixe cozido.

EVITE ALIMENTOS DUROS E COM RESÍDUOS COMO CASCA DE PÃO, BOLACHA, TORRADA, PIPOCA e SALGADINHOS

 ATENÇÃO

Em caso de sangramento persistente ou em grande quantidade, com sangue de cor vermelho “vivo” pelo nariz ou pela boca, ligue para o médico e se encaminhe, preferencialmente, para o Hospital onde a cirurgia foi realizada.

 MEDICAÇÃO

TYLENOL (paracetamol) em caso de dor ou febre (temperatura igual ou maior que 37,8C) a cada 6 horas.

Sorvete de massa pode !!!

 

 

 

 

 

 

 

Boa cirurgia!